Ler ou Não Ler, eis a questão!

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Redação de texto argumentativo... (9º ano)

A partir do visionamento do filme de Francisco Ribeiro, O pátio das cantigas (1942), a turma de 9º ano redigiu o texto argumentativo que se segue A primeira etapa do trabalho foi a planificação do texto a escrever procurando equilibrar no levantamento dos aspetos positivos e negativos



Argumento a defender: “vale a pena ver o filme “ O Pátio das Cantigas”

Introdução
Apresentação do filme, do cineasta e do argumento do nosso texto
Desenvolvimento
Cf tabela “pontos positivos e pontos negativos”
Conclusão/Desenlace
Normalmente, não apresenta ideias novas, retoma as ideias importantes do desenvolvimento

Pontos positivos
Pontos negativos
  • Mostra-nos como decorre a vida num bairro popular lisboeta (ajuda à leitura de livros cuja açao decorre num espaço similar, como por exemplo Casos do beco das sardinheiras)
  • É um clássico do cinema português (permite alargar a nossa cultura geral sobre cinema português)
  • Mostra-nos um pouco daquilo que era o regime salazarista (o sistema protege as pessoas e dita-lhes como devem viver)
  • Permite-nos conhecer o cinema português da década de 40 do século XX
  • Permite-nos apercebermo-nos dos progressos feitos ao nível das novas tecnologias (o rádio e o vynil é que estavam na moda)
  • Revela-nos os gostos musicais da época (o fado) além de dar à história ritmo
  • O filme tem cenas cómicas e cheias de humor que prendem o público (por ex. A conversa de Narciso bêbado com o candeeiro; a provocação repetida feita ao droguista Evaristo)
  • O filme tem concentração espacial no pátio o que nos permite conhecer o dia a dia nesse tipo espaço
  • O filme é antigo e a preto e branco
  • O filme impõe uma visão positiva do regime protetor salazarista
  • Algumas passagens não têm som o que pode levar a algum aborrecimento durante a visualização
  • O filme é longo
  • O filme é monótono em termos de espaço (há concentração espacial no pátio)
  • O filme não tem a estruturado tipo princípio-meio-fim apresentando várias cenas tiradas do cotidiano do espaço que é o pátio onde vive toda uma galeria de personagens (a dona Rosa que vende no mercado, a cantora que emigrou para o Brasil, o dono da leitaria, o dono da drogaria, o mulherengo, os cantores de fado, o rádio amador)
 

Introdução
“O pátio das cantigas” é um filme de Francisco Ribeiro de 1942 cuja ação decorre em Lisboa, durante as festas dos Santos Populares em plena ditadura salazarista. Mesmo se o filme é antigo vale a pena ser visto pelos motivos que passamos a enumerar.
Desenvolvimento
Neste filme é narrada a história de um grupo de vizinhos residentes num pátio lisboeta. Assistimos a uma série de equívocos que dão um tom cómico ao filme. O facto do filme ser a preto e branco não afecta a comicidade do filme, mas pode ser algo pouco apreciado pelo público moderno. Ver este filme, um clássico do cinema português, permite alargar a nossa cultura geral. Todavia, a estrutura do filme é especial, não é uma estrutura do tipo princípio-meio-fim: apresenta várias cenas tiradas do cotidiano do espaço que é o pátio, onde vive toda uma galeria de personagens - a dona Rosa que vende no mercado, a cantora que emigrou para o Brasil, o dono da leitaria, o dono da drogaria, o mulherengo, os cantores de fado, o rádio amador. Além disso, o filme permite perceber os progressos feitos ao nível das tecnologias, nos anos 40 do século passado as novidades tecnológicas resumiam-se às transmissões de rádio e aos discos de vynil, muito longe dos cds e dos mp3 dos tempos que correm. Apesar do filme impor uma visão positiva do regime protetor salazarista, mostra-nos um pouco daquilo que era este regime (o sistema protege as pessoas e dita-lhes como devem viver).
Conclusão/
Desenlace
Em resumo, vale a pena ver o filme pelas diversas razões que acabaram de ser referidas.
 

Sem comentários:

QUEM É QUE NÃO QUER VER MELHOR O MUNDO?

QUEM É QUE NÃO QUER VER MELHOR O MUNDO?